Skip to content

Como saber se tenho COVID-19 e quais são os sintomas de alerta?

Os sintomas mais comuns no início da aparição dessa doença foram: febre, cansaço, tosse seca, mialgia (dor muscular), e dispnéia (falta de ar). Os sintomas menos comuns foram dor de cabeça, tonturas, dor abdominal, diarreia, náuseas, e vômitos.1

Os pacientes internados em terapia intensiva eram mais propensos a reportarem dor    faríngea, dispnéia, tonturas, dor abdominal, e anorexia.1

É importante reconhecer os sintomas, pois atualmente a nível mundial a transmissibilidade  é considera comunitária (não é necessário ter viajado a países com a doença) sendo assim, se você apresentar os sintomas mencionados previamente; você deve procurar um hospital para dá inicio a uma avaliação que deve ser feita por um médico capacitado para decidir se será necessário fazer um exame diagnóstico, (lembre-se que esta decisão deve ser baseada em uma revisão médica).1

Para realizar o diagnóstico, obtêm-se amostras das vias respiratórias superiores (nasal, faríngea, e nasofaríngea) e em casos de pacientes que seja considerado necessário, será retirado amostras do trato respiratório inferior (por ter maior eficiência devido a níveis virais mais altos, por exemplo, expectoração (secreção que sai ao tossir), aspirado traqueal e lavagem broncoalveolar), amostras de sangue, e amostras de outros fluídos corporais, também podem ser usadas para maximizar as possibilidades do diagnóstico.2

Só alguns centros disponibilizam e outros centros ainda estão esperando a aprovação para poderem disponibilizar o diagnóstico que é realizado por métodos diferentes (geralmente por uma prova especializada pelo método chamado RT-PCR).2

Referencias:
  1. Wang D, Hu B, Hu C, Zhu F, Liu X, Zhang J, et al. Clinical Characteristics of 138 Hospitalized Patients With 2019 Novel Coronavirus–Infected Pneumonia in Wuhan, China. Jama 2020;323:1061. doi:10.1001/jama.2020.1585.
  2. Hui DS, Zumla A. Severe Acute Respiratory Syndrome. Infectious Disease Clinics of North America 2019;33:869–89. doi:10.1016/j.idc.2019.07.001.